Acerca de

BIO COMPLETA

Nós somos o Facing Fear

Embalados pela nova onda composta por bandas de Heavy Metal surgidas como Enforcer, Skull Fist, Ambush, e inspirados pela New Wave Of British Heavy Metal, Dantas e Vall Maranhão decidiram se juntar para formar uma banda, nos finais de 2016. Dantas batizou a banda, baseado nos conceitos de filmes de terror do subgênero Slasher, onde o protagonista se vê encurralado no final e, sem mais o que fazer, decide enfrentar o assassino. Outra influência sobre o nome foi o livro “A Coisa” de Stephen King, onde o palhaço que representa o medo sempre declina sobre uma postura confrontadora. Daí, surgiu o nome Facing Fear.
Para completar o time, Nathalia Souza foi chamada para o Baixo e Carina Oliveira para os vocais. Assim, em 19/02/2017, lançam o single “Enfrentando O Medo” apenas no Youtube e, logo após, começam uma série de shows no eixo Rio-São Paulo. Entretanto, no início de abril, Carina deixou a banda, pouco antes das gravações do primeiro EP.
A banda decidiu procurar um novo vocalista e, a partir da sugestão de um conhecido, o nome de Terry Painkiller foi cogitado. Do encontro, resolveram que seria o novo vocalista, com a banda adquirindo outra identidade visual e maior personalidade sonora. Assim, as gravações do EP “Lutaremos Pelo Metal” voltaram a todo vapor em maio daquele mesmo ano, no mesmo home studio que registrou o single, sob a produção de Bruno Gomes.
Apesar das inúmeras dificuldades em conciliar trabalhos regulares com as etapas de gravação, “Lutaremos Pelo Metal” foi concluído em um tempo curto e lançado nas plataformas de Streaming no dia 26 de julho. Política, sociedade, lendas e anseios pessoais permeiam os temas das músicas, com Heavy Metal conectando o todo. As cadências variadas no EP já mostravam o que a banda poderia apresentar no futuro, exibindo recursos em canções rápidas e lentas. O disco físico passou a ser comercializado, totalmente independente, a partir da pequena turnê que envolveu, novamente, o eixo Rio-São Paulo, começando pela abertura do show do Selvageria, em agosto, banda já consolidada no cenário, no extinto Mineiro Rock Bar. Seguiram uma dúzia de shows no mesmo ano.
No ano seguinte, “I Wanna Play The Sound”, faixa mais adorada pelo público do EP, foi escolhida para ter um videoclipe oficial, lançado em junho. O site Army Of One Television, dos EUA, exibiu o vídeo por semanas, chegando a ficar entre os 5 mais vistos.
Facing Fear continuou com sua maneira DIY e iniciou os processos para o primeiro Full Length, no segundo semestre de 2018. As gravações foram feitas pela própria banda, na casa de Vall Maranhão. Luke D. foi o responsável pela mixagem do álbum, intitulado “Ana Jansen”. Nesse meio tempo, o quarteto recebeu o convite para o Infektor Self Festival #4, em Teresina, no Piauí, onde o público lotou o local. Segue trecho da resenha: “A introdução começa a rolar com um misto de “Full Moon” do Demon e sons de sirenes, a expectativa do público é estampada nos olhares curiosos sobre a primeira música que tocariam. “Prisão Mental” inicia a apresentação com muitos presentes cantando. Todos os membros estavam caracterizados com visual oitentista, como “Terry Painkiller” (vocal) com seu visual em couro e óculos escuros. O “frontman” instiga o público a cantar e é prontamente atendido. O repertório foi lindo com canções como “Licantropia” e “Until the End”, seguidas por uma das músicas mais cantadas, “I Wanna Play the Sound”, que já se tornou hino…” - Jucie Lord à Roadie Metal.
“Ana Jansen” contou com lançamentos de singles apenas no Youtube: “Hell’s Killer”, no dia 13 de janeiro de 2019 e “Calling Me”, no dia 10 de fevereiro. No dia 17 de março, foi lançado um lyric video de “Hell’s Killer”, feito pela Brauna Music Productions.
O álbum foi lançado no dia 14 de abril de 2019, em todas as plataformas de streaming. Mais uma vez, política, sociedade, lendas, anseios pessoais e Heavy Metal são temas do Full-Length, com a ficção sendo um ingrediente a mais. Dessa vez, o selo Classic Metal Records foi responsável por lançar o disco físico, no dia 28 de maio daquele mesmo ano, com a promoção de mais um single 5 dias antes, apenas no Youtube, da faixa “We Are Facing Fear”. 
Músicas rápidas, poucas lentas, com a linearidade inerente ao gênero, recheiam o disco, onde a variação melódica de canções se tornam o adendo para um álbum que recebeu a arte fascinante na capa, do artista Eduardo Untura. “Ana Jansen” foi bem recebido pela crítica, destacando as resenhas do maior veículo do segmento brasileiro, Roadie Crew: "... o quarteto carioca faz um heavy metal sem firulas, bem calcado na sonoridade dos anos 80... Muito disso vem de Dantas, principal compositor e dono de uma mão direita de respeito. Seus riffs são o destaque ao lado de Painkiller, de quem não se pode ficar indiferente." - Daniel Dutra; Roadie Crew #254; maio-junho de 2020.
Internacionalmente, “Ana Jansen” também foi elogiado, com destaque para o veículo Metal-Temple: “Musicalmente, a banda está realmente perto do ponto certo de amadurecimento. São 10 músicas muito boas que realmente podem conquistar os fãs na primeira audição, como pode ser ouvido na força bruta de “Hell's Killer” (belos riffs de guitarra e incrível energia impactante), os excelentes andamentos de “Tragedy/The Lonely Soldier” (um ritmo simples usando um trabalho sólido de baixo e bateria, mas a energia adorável que vem dos riffs é realmente incrível) e de “Until the End” (vocais e backing vocals muito bons), as melodias afiadas de “Run for My Life” e de “War of Lies”, e a icônica “We Are Facing Fear” são aqueles em que seu potencial musical fica claro. “Ana Jansen” é um álbum muito bom, de fato, e FACING FEAR tem muito a dizer. Ouça e confira!” - Metal Mark Garcia; Metal-Temple, 9 de agosto de 2019.
Seguiu uma turnê, intitulada “Carriage of Hell Tour”, onde o quarteto continuou pelo eixo Rio-São Paulo, com apresentações no Lyria Fest e Guaru Metal Fest.
Em busca de maior amplitude sonora e peso através de mais uma guitarra, a banda recebe John Killesh em sua formação, no início de 2020. Assim, a potência e performances se abrilhantam, com Dantas e John em perfeita harmonia. No entanto, após a segunda apresentação com a formação como quinteto, o lockdown, devido à pandemia do Coronavírus, faz com que a banda tenha de mirar para outros pontos, na busca de manter contato com o público. Assim, lançam em todas as plataformas o single “Omaira” no dia 16 de março, B-side do álbum Ana Jansen. Música em homenagem à menina Omayra Sanchez Garzón, morta aos 13 anos de idade, devido a erupção do vulcão Nevado del Ruiz, ocorrida em 1985, em Armero, Tolima, na Colômbia. Também começam uma série de vídeos em seu canal do Youtube, mostrando mais sobre cada integrante durante aquele período caótico.
Em junho de 2020, Nathalia Souza decide sair da banda, seguindo projetos pessoais. O Facing Fear até decidiu por audições para um substituto, no entanto, não chegaram a uma conclusão. Permaneceram como um quarteto, sem baixista, tocando os projetos ainda durante a pandemia.
No dia 4 de dezembro, lançaram em todas as plataformas o single “Until The End”, uma versão acústica da terceira faixa do álbum Ana Jansen, finalizando aquele ano de trabalhos.
Em 2021, o quarteto decide por gravar um novo álbum. Ainda sob os percalços da pandemia e ausência de baixista, o Facing Fear chama Jhoannes Cardoso para produzir o segundo Full-Length da banda, no estúdio Dona Jassa. A banda despendeu todo o ano entre gravações, mixagens e masterização, além de várias participações internacionais e nacionais nas músicas, como Oskar Jacobson do Ambush e Rod Wolf do Lyria. O baixo ficou a cargo de Jëy Douglas.
Ainda antes de o ano terminar, o Facing Fear fez seu primeiro show “pós-pandemia” com um baixista convidado, algo que se tornaria rotina. Assim, fecharam o ano, com a expectativa do que viria neste segundo álbum.
Logo em janeiro de 2022, lançaram o videoclipe oficial de “We Will Arrive”, produzido e dirigido pela Nove Frames. A música seria a primeira faixa do álbum e o vídeo foi bem elogiado, tanto pela qualidade sonora, quanto visual. Em fevereiro, a banda entregou outro videoclipe oficial, da música “I’m Crazy”, também do álbum a ser lançado. O mês seguinte iniciou com um show na cidade e logo veio a público, em todas as plataformas de streaming, o álbum Marginal Metal, junto com um videoclipe oficial da faixa título, no dia 15 de março. Crítica social e reflexões pessoais são temas do álbum, que traça um recorte da vida dos integrantes durante o momento. Músicas sinuosas, pesadas, com refrãos fortes são marca do Marginal Metal, que não se limite em uma fórmula padrão na construção das músicas. O disco ainda teve a masterização de Bene Maldonado.
O veículo internacional Metal-Temple, pelas mãos de Mark Garcia disse: “... Depois de ouvir “Metal Marginal”, fica claro que o quarteto está em um patamar musical para se tornar grande e sair dos limites da cena Metal brasileira."
Já o veículo 80 Minutos, pelas mãos de Diogo Franco, disse: “Todos os riffs desse disco são sensacionais, sem fugir ao padrão metal e ao mesmo tempo soando como agradável novidade.”
Facing Fear segue prestes a lançar o próximo videoclipe oficial, apenas em seu canal do Youtube.